Help with Search courses

Qualificação das Equipes da Estratégia da Família e Saúde Bucal na Atenção ao Pré-natal de Baixo Risco

Desenvolvido pelo Ministério da Saúde, por meio da Secretaria de Atenção Primária à Saúde em parceria com a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS/OMS), representa um componente marco dentro da Rede Cegonha, já que objetiva fortalecer as ações de pré-natal no âmbito da Atenção Primária.

Com oferta de metodologia híbrida, contempla uma etapa presencial com atividades teórico-práticas e etapa de EaD por meio do Campus Virtual de Saúde Pública com discussão de casos no intuito de promover uma prática baseada em evidência na Atenção segura ao Pré-natal de Baixo Risco. Assim, os eixos foram divididos com a seguinte carga horária:

✔ Manejo clínico da gestação (20 horas)
✔ Diagnóstico, tratamento e acompanhamento da Sífilis na gestação (20 horas)
✔ Prevenção e controle do câncer de colo uterino (20 horas)
✔ Intervenção no território: práticas de gestão e atenção com o foco no cuidado integral e compartilhado (12 horas)

Objetivo Geral do Curso:

Qualificar os profissionais da APS com vistas a ampliar o raciocínio clínico para a tomada de decisão, o pensamento crítico e a capacidade de desenvolver e implementar estratégias para a reorganização do processo de trabalho e a gestão do cuidado às gestantes e puérperas, na perspectiva da redução da morbimortalidade materna, fetal e neonatal precoce, por Condições Sensíveis da Atenção Primária.

Comunicação interpessoal em tempos de crise - 2020

No setor da saúde, vários estudos apontam que os hospitais e clínicas que tem os melhores resultados não necessariamente são aqueles que tem os melhores procedimentos, médicos ou equipamentos e sim aqueles que tem a melhor comunicação e cooperação entre as equipes. A qualidade da comunicação entre pares e colegas e com os pacientes contribui significativamente para o bem estar dos profissionais de saúde além do processo de cura em si. Além disso diminui o estresse e aumenta a resiliência.

Em períodos de crise, seja no setor da saúde ou qualquer outro, o risco é grande de ver a qualidade da comunicação se deteriorar. E é algo natural, o tempo vira escasso, as situações emergenciais se acumulam, as lideranças são mais diretivas, e as pessoas estão no limite, cansadas, desgastadas. Agora é exatamente neste tipo de situação extrema que as dicas que este curso oferece fazem a diferença.

Além disso a crise sanitária da Covid 19, pelo distanciamento, o isolamento, a necessidade de usar máscaras e de trabalhar remotamente, induz uma nova relação com o corpo impacta diretamente na maneira como nos comunicamos.

Através deste minicurso elaborado pelo professor Thomas Brieu, os alunos experimentam o quanto revisitar o tema da comunicação sob o prisma da escuta, diferente do usual prisma da fala, traz uma sensação de liberdade e empoderamento na hora de lidar com períodos de tensão, de polarização e de paradoxos. O quanto a escutatória traz ferramentas simples e efetivas na hora de ter conversas difíceis, de se expressar de forma não violenta, de argumentar e negociar, de promover engajamento e trabalho colaborativo. Enfim, na hora de conjugar abertura com firmeza ou ainda empatia com assertividade.

Por enquanto, este minicurso de comunicação interpessoal em tempos de crises da OPAS/OMS Brasil elaborado pelo professor Thomas Brieu é reservado para o quadro de profissionais da própria instituição. Caso for um profissional da saúde e tiver interesse em fazer o curso também, informe seus dados clicando aqui.